Igreja de Nossa Senhora da Glória do Outeiro – Rio de Janeiro, RJ

Cronologia

Século XVI Próximo ao local, ocorre a Batalha de Uruçumirim (1567)
Século XVII Numa pequena gruta do local, inicia-se a devoção a Nossa Senhora da Glória (1608)

Edificação da primeira ermida (1670)

Século XVIII Construção da igreja atual (a partir de 1714)

Oficialização da irmandade

Século XIX Membros da família real e imperial passam a frequentar a igreja

 

O Outeiro da Glória chamava-se antigamente ‘Morro do Leripe’, e ficava muito próximo do local onde ocorreu a Batalha de Uruçumirim, um confronto ocorrido no ano de 1567 entre portugueses, franceses, e índios aliados de ambas as partes. Na ocasião, saíram vitoriosos os portugueses e seus aliados – os índios teminimós, que eram liderados pelo cacique Araribóia – e ficaram derrotados os franceses e os índios tamoios. Na mesma ocasião, o líder português Estácio de Sá foi ferido com uma flechada no rosto, motivo pelo qual veio a falecer dias depois. Porém, não obstante sua morte, o embate deu resultado e encerrou definitivamente o domínio francês na região.

Foi em uma gruta nesse ‘Morro do Leripe’ que, no ano de 1608, alguns devotos passaram a venerar a Virgem Maria sob a invocação de ‘Nossa Senhora da Glória‘ – possivelmente em alusão aos fatos anteriormente ocorridos nesse local.

Décadas depois (ano de 1670), um português chamado Antônio Caminha edificou uma pequena ermida sobre o topo daquele outeiro, e junto dela construiu também algumas dependências, onde passou a morar de forma reclusa. No local também havia instalações destinadas a abrigar peregrinos que para lá se dirigiam, a fim de pagar promessas e rezar novenas, e consta que o mencionado Antônio Caminha permaneceu servindo devotamente no local por mais de quarenta anos, como uma espécie de ermitão.

Mais ou menos no início do século XVIII a doação de um terreno mais amplo por parte do capitão Cláudio Gurgel do Amaral permitiu uma campanha de reedificação da igreja – a ermida primitiva era feita de madeira e argila, e pretendia-se então fazer uma construção mais resistente, de pedra. No documento de doação ele menciona expressamente a Irmandade de Nossa Senhora da Glória, motivo pelo qual se infere que provavelmente já estaria constituída nessa época (muito embora o reconhecimento canônico ocorresse alguns anos mais tarde, em 1739).

Estima-se que a reconstrução da igreja tenha se iniciado entre 1714 e 1720. O projeto ficou a cargo de um militar, o Tenente-Coronel José Cardoso Ramalho, que havia sido nomeado por D. João V como Capitão de Infantaria da Capitania do Rio de Janeiro. Esse arquiteto projetou a igreja de uma forma bastante original, adotando características de edificações militares.

A título de ilustração, pode-se ver abaixo duas telas de Nicolas-Antoine Taunay retratando o outeiro e a igreja, de acordo com o aspecto do local em fins do século XVIII e início do século XIX.

 Nicolas-Antoine Taunay

Nicolas-Antoine_Taunay_01
A planta é constituída de dois prismas octogonais entrelaçados – em um formato semelhante a algumas fortificações da época – possuindo uma torre central, com um alpendre antes da portada principal. A escoadura das calhas, em formato de pequenos canhões, e a parte anterior da torre, em forma de guarita, também remetem ao estilo de fortificação.

beautiful church outeiro da glória rio de janeiro

Internamente a igreja é inteiramente circundada de azulejos, inclusive na sacristia, e seus três altares são esculpidos em cedro, sem verniz nem pintura.

Após a vinda de Dom João VI para o Brasil – mais especificamente após o casamento de seu herdeiro Dom Pedro – a igreja passou a receber visitas frequentes da Princesa Leopoldina, que era devota de Nossa Senhora da Glória. Décadas mais tarde, no reinado de Dom Pedro II, a irmandade foi alçada ao status de imperial, título que conserva até hoje. Atualmente, descendentes da Princesa Isabel permanecem fazendo parte dos quadros dessa confraria, participando de ofícios e determinadas festas.
outeiro da glória rio de janeiro

IMG_1441IMG_1445

Abaixo, a imagem da padroeira, Nossa Senhora da Glória.

nossa senhora da gloria outeiroIMG_1476

Na primeira metade do século XX, durante o frenesi de ‘modernização’ do Rio, foi realizado um gigantesco aterro na região, o que fez com que o mar ficasse recuado em cerca de duzentos metros em relação à sua posição original. Na foto abaixo, tirada antes do aterramento (festa de inauguração da estátua de Pedro Álvares Cabral, no ano de 1900), pode-se ter uma noção de até onde chegavam as águas.

Festa de inauguração da estátua de Pedro Álvares Cabral, no ano de 1900.

Não obstante as numerosas alterações ocorridas no entorno, é inegável que essa graciosa igreja de Nossa Senhora da Glória do Outeiro continua sendo um dos mais belos cartões postais do Brasil.

IMG_0503

_____________________

REFERÊNCIAS:

– ALENCAR, José de. O Ermitão da Glória. In Alfarrábios. Rio de Janeiro, 1873. Obra em domínio público. Disponível em: http://www.literaturabrasileira.ufsc.br/_documents/0006-01373.html.

– BAZIN, German, L’Arquitecture Religieuse Baroque au Brésil, Tome II, Paris: Librairie Plon, 1958

– CARVALHO, Benjamim de A., Igrejas Barrocas do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira S.A., 1961

CERQUEIRA, Bruno da Silva Antunes de, Outeiro da Glória e Glória do Outeiro: brevíssima história de uma das mais antigas e importantes confrarias marianas do Brasil. Disponível em: http://outeirodagloria.org.br/historia/historia-irmandade-cerqueira/

-Dornelles Facó, Anne (coord.), Guia das Igrejas Históricas da Cidade do Rio de Janeiro, Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, Secretaria Especial de Projetos Especiais, 1997

-TELLES, Augusto C. da Silva. Nossa Senhora da Glória do Outeiro. Rio de Janeiro: Agir Editora, 1969.

-TIRAPELLI, Percival, Igrejas Barrocas do Brasil, São Paulo: Metalivros, 2008

Site oficial: www.outeirodagloria.org.br

 

3 comentários sobre “Igreja de Nossa Senhora da Glória do Outeiro – Rio de Janeiro, RJ

  1. A título de contribuição, onde está informado que os filhos de Dom João – Dona Maria da Glória e Dom Pedro I – foram batizados nessa igreja, isso está incorreto. Dom Pedro I foi, sim, filho de Dom João VI, mas já veio quase adolescente para o Rio de Janeiro e, assim, é de se acreditar que tenha sido batizado em Portugal, onde nasceu. Dona Maria da Glória, sim, filha de Dom Pedro I e da imperatriz Leopoldina, é que foi batizada na igreja da Glória.
    Sigam com o belíssimo trabalho!
    Deus abençoe!

    Curtir

    1. Agradecemos a informação, e já procedemos à retificação. Essa questão sobre os filhos de Dom João estava em um dos livros consultados, mas realmente, relendo o texto de Bruno da Silva Antunes de Cerqueira (indicado acima ao final do texto), ele menciona a existência dessa confusão:

      “Há erro grave em afirmar, como o fizeram não poucos autores ao longo do séc. XX, que na Igreja da IINSGO foram batizados os príncipes de Bragança, durante o XIX. O lapso histórico é reproduzido por muitos pesquisadores que repetiram terem sido os netos e bisnetos de D. João VI consagrados à Virgem da Glória, o que procede plenamente. Mas daí a terem recebido o Sacramento do Batismo vai uma distância tremenda. Todos os batizados dos príncipes do Brasil oitocentista ocorreram na Sé-Catedral do Rio de Janeiro, que foi a Igreja de Nossa Senhora do Monte do Carmo”

      Curtir

Deixe uma resposta para Leonardo de Paula Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.