Santuário do Bom Jesus de Matosinhos, Congonhas do Campo, Minas Gerais

As origens desse santuário – ponto ápice do barroco brasileiro – remontam a meados do século XVIII, quando Feliciano Mendes, que residia em Minas Gerais e era originário da cidade de Guimarães (Portugal) , foi acometido por uma grave doença, provavelmente contraída na mineração.

Nessa ocasião, ele prometeu dedicar sua vida ao serviço de alguma devoção, representada por uma santa imagem do Cristo ou da Virgem. Produzindo-se a cura milagrosa, o ex-minerador iniciou imediatamente o pagamento de sua promessa, plantando uma cruz no alto do Monte Maranhão, em Congonhas do Campo, homenageando ao Senhor Bom Jesus de Matosinhos – uma devoção muito popular ao Cristo Crucificado venerado em Matosinhos, Portugal.

O episódio é narrado pelo próprio Feliciano Mendes, no protocolo de abertura do primeiro livro de registro de esmolas do santuário, aberto em 1 de janeiro de 1757. A primeira esmola registrada nesse livro veio do próprio Feliciano, que doou toda sua fortuna pessoal para construção do santuário.

Em 21 de junho do mesmo ano (1757), o bispo de Mariana, Dom Frei Manoel da Cruz, autorizou a construção de uma ermida provisória naquele monte. Nela, enquanto se fazia a igreja definitiva, Feliciano passou a viver como ermitão, isolado da sociedade, mais ou menos como o Irmão Lourenço no Caraça, e Antônio Bracarena, na Serra da Piedade.

Através do livro de esmolas – que se encontra preservado até hoje – pode-se ver que até 1765, ano da morte de Feliciano, a parte arquitetônica da igreja estava quase concluída, faltando apenas as torres e a decoração interna.

Após a morte de Antônio Feliciano, os administradores-ermitões que o sucederam se encarregaram de contratar uma plêiade dos melhores artistas que havia em Minas naquela época – dentre os quais se destacaram Francisco de Lima Cerqueira (capela-mor e torres), Jerônimo Feliz Teixeira (altares colaterais), João Antunes de Carvalho e Francisco Vieira Servas (talhas diversas), João Nepomuceno Correia e Castro e Bernardo Pires da Silva (pintura dos forros), Felizardo Mendes (ouriversaria), Manuel da Costa Ataíde (pinturas), e Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho, que já estava em fase avançada de sua doença.

Foi na gestão do quinto ermitão, Vicente Freire de Andrada (1794-1809) que o Aleijadinho, convocado a Congonhas, executa, juntamente com os oficiais de seu ateliê, a gigantesca empresa dos conjuntos escultóricos dos Passos e Profetas, totalizando 66 estátuas, em cedro, para os Passos, e mais doze, em pedra-sabão, para os Profetas.

As imagens dos Passos foram feitas em um período de 3 anos e meio, ocupando-se o Aleijadinho especialmente daquelas que representavam a Cristo. No entanto, a policromia e os olhos de vidro foram colocados só muito posteriormente, já em meados do século XIX.

Para os profetas, Aleijadinho inspirou-se em gravuras de esculturas medievais, e dispôs cada um em uma posição específica, adequando-os à paisagem e ao conjunto arquitetônico.

(Trechos de “A Obra do Aleijadinho em Congonhas“, de Myriam Andrade Ribeiro de Oliveira, publicada na revista “Aleijadinho”  – número especial da Revista do Conselho Estadual de Cultura de Minas Gerais, 1983. Exceto quando mencionado, todas as fotos abaixo são de Plinio Lins)

Foto datada de 1880, de Marc Ferrez
Foto de 2012, vista das capelas dos Passos e Santuário
As capelas dos Passos foram construídas mais de vinte anos após a conclusão da igreja. O projeto original previa também a construção de ‘Passos da Ressurreição”, na parte posterior do santuário.
Interior do Passo da Santa Ceia e Instituição da Eucaristia. A frase acima da porta faz menção à seguinte passagem do Evangelho de São Mateus: “Enquanto ceavam, tomou Jesus o pão e disse: Este é o meu corpo”. No entanto, as imagens retratam o momento em que Jesus anuncia que um dos Doze o trairia – daí a expressão de espanto dos apóstolos, exceto Judas, que tenta ‘disfarçar’, à direita (com o saco de moedas)
Passo da Prisão de Cristo, retrata o momento após São Pedro (à esquerda) tirar a espada e cortar a orelha do soldado Malco. Jesus está com a orelha do soldado na mão, prestes a recolocá-la.
Passo da Flagelação e Coroação de Espinhos
Passo da Crucificação.
Embora o Aleijadinho tivesse sido contratado inicialmente para fazer apenas as esculturas dos Passos, ele também terminou por fazer os profetas, escolhendo, também, a disposição deles no adro do santuário.
Profeta Isaías
Da esquerda para direita, profetas Ezequiel, Joel e Jeremias
Profetas Oseias e Daniel. A imagem de Daniel está acompanhada de um leão, e é a maior do conjunto, feita em um único bloco de pedra.
Profeta Jonas
Profeta Joel. Todos os profetas possuem pergaminhos com trechos de algum de seus livros.
Detalhe da cruz principal, com um pequeno falcão “cauré”
Ao lado do santuário há uma sala de ex-votos, com centenas de testemunhos de pessoas que foram beneficiadas por graças obtidas após rezarem para o Bom Jesus de Matosinhos. Alguns são simples, outros são belos exemplos de arte popular, e relatam cenas ocorridas em diversas épocas, inclusive no século XVIII, época dos primórdios do santuário.
Interior do Santuário. Além da primorosa talha, ela retrata, em suas múltiplas pinturas, os principais fatos da Vida e Paixão de Cristo.
Altar do Bom Jesus

2 comentários sobre “Santuário do Bom Jesus de Matosinhos, Congonhas do Campo, Minas Gerais

  1. Estava com saudade das postagens do site, e lamento não comentar, como deveria, para apoiar o trabalho.
    O santuário já é belo por fora. Por dentro, então… Infelizmente, quando estive em Congonhas, já neste tempo de pandemia, não pude encontrá-lo aberto.
    Obrigado por trazer um pouco dessa beleza a mim, que não pude ver de perto, e àqueles que nunca estiveram lá.

    Curtir

    1. Uma pena ter encontrado o santuário fechado… com um pouco de cuidado adicional, seria perfeitamente possível manter abertas as igrejas, mesmo nessa época atual. Mas muitas vezes o poder público manda fechar tudo…
      Enfim, que bom que gostou da matéria. Às vezes tem demorado para postar, por falta do tempo para pesquisar e conferir os dados do histórico de cada igreja…mas aos poucos vamos colocando! Grande abraço

      Curtir

Deixe uma resposta para Leonardo de Paula Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.