Igreja do Convento de São Francisco – Salvador, Bahia

Os primeiros discípulos de São Francisco de Assis chegaram a Salvador no ano de 1587, ano em que, provavelmente, foi fundado o primeiro convento. Algumas décadas depois, quando houve a invasão holandesa de 1624, tanto a igreja quanto as dependências dos frades ficaram em escombros, e foi necessário empreender a reconstrução do complexo.

E, com o crescimento da ordem, no ano de 1686, o superior franciscano, Frei Vicente das Chagas, promoveu os trabalhos que não somente eram de ampliação, mas praticamente de construção de um novo convento e de uma nova igreja, que deveriam ter dimensões bem maiores do que as anteriores. Assim, na festa de Santo Antônio daquele ano, foi colocada a pedra fundamental da nova igreja.

As obras se estenderam por muitos anos e por várias gerações de frades. Em 1713, sob a direção do superior Frei Hilário da Visitação, a igreja já tinha altares (ainda sem ouro) e foi consagrada. Mas a estrutura geral da construção só ficaria pronta dez anos depois, quando a fachada, inteiramente revestida de pedra, foi finalizada.

Ao longo do século XVIII muitos acréscimos foram feitos no embelezamento da igreja: novos altares foram feitos (e os já existentes foram revestidos de ouro), decoração do teto, revestimento de paredes com azulejos de Lisboa, colocação de balaustradas, etc.

Essa igreja é considerada uma das mais belas do Brasil, e um dos melhores exemplos do barroco português no mundo.

IMG_5650

Abaixo, detalhe da fachada em pedra, com destaque para a imagem de São Francisco, e para o símbolo da ordem franciscana (o braço de Cristo cruzado com o de São Francisco). No mesmo emblema, o brasão com as armas de Portugal.

IMG_5640

IMG_5344

Acima: as pinturas emolduradas no teto descrevem passagens da vida de Cristo e da Virgem Maria, e também de personagens do Antigo Testamento que foram prefiguras destes. O arco cruzeiro ostenta o mesmo brasão da ordem franciscana, com as armas de Portugal. Nos dois altares laterais pode-se ver, à esquerda, uma imagem da Imaculada Conceição (devoção especialmente propagada pelos franciscanos) e, à direita, de Santo Antônio de Lisboa (ou de Pádua), que também era discípulo de São Francisco. Abaixo, uma vista geral da igreja.

IMG_5348

IMG_5428

Coro da igreja

igreja são francisco salvador

As capelas laterais são dedicadas, de um lado, a Santa Ana, Santa Luzia e Santa Efigênia, e do outro, São Benedito, São Pedro de Alcântara, e São José. As balaustradas em jacarandá são de autoria de frei Luís de Jesus, irmão leigo franciscano.

IMG_5358

IMG_5423

Acima, altar da Imaculada Conceição.

Abaixo, altar do transepto, dedicado a São Luís de Tolosa

IMG_5370

E abaixo, o altar do lado oposto do transepto, dedicado à Virgem Maria, sob o título de Nossa Senhora da Glória.

convento são francisco salvador

Abaixo, a capela mor, com sua exuberante talha dourada.

convento são francisco salvador

O pavimento da capela-mor é feita com mármore de diversas cores, trabalhado de forma a representar folhagens. O piso veio de Portugal em 1738. E os azulejos das paredes, igualmente portugueses, representam cenas da vida de São Francisco.

IMG_5375

Como corolário, no trono do altar mor encontra-se a imagem de São Francisco diante do Senhor crucificado –  a realidade da cruz e do sacrifício, base do cristianismo, reinando sobre toda a graça e exuberância do barroco.

IMG_5469

____________________

O claustro do convento

No ano de 1749, quando o superior franciscano era Frei Manuel de Santa Maria, foi finalizado o claustro do convento, que fica contíguo à igreja e é ornado com o maior conjunto de azulejos portugueses em terras brasileiras.  As estampas retratam pensamentos de uma obra espanhola chamada “Teatro moral de la vida humana y de toda la Philosophia de los antigos y modernos“, que, por sua vez, era inspirada na obra “Emblemas de Horácio”, publicada na Bélgica em 1608.

IMG_5482

IMG_5500 rico é aquele que nada cobiça

Acima, a frase inscrita diz: “Rico é aquele que nada cobiça”

IMG_5495 a morte aguarda a todos igualmente

Acima, a mensagem é: “A morte aguarda a todos igualmente”. Vê-se, à esquerda, um rei, e à direita um homem pobre, ambos acometidos pela morte.

IMG_5504 a virtude está no meio

Acima, diz a frase: “A virtude está no meio”. Pensamento que vem desde Aristóteles, e que, na gravura, é representado por uma pessoa mulher entre outras duas, sendo uma acumuladora de riquezas (à esquerda) e outra pródiga (à direita).

IMG_5520

Visão geral do claustro e da lateral da igreja. Reparar que o claustro possui dois andares, e há conjuntos de azulejos em ambos.

A simplicidade e rusticidade das demais dependências do convento, incluindo refeitórios, salas e celas, atestam que havia uma linha divisória bem definida entre o esplendor do culto divino e a pobreza e desprendimento na vida pessoal dos frades (voto de pobreza).

_____________________________

 REFERÊNCIAS:

– Bazin, German, L’Arquitecture Religieuse Baroque au Brésil, Tome II, Paris: Librairie Plon, 1958

– DUGNANI, Patrício. A herança simbólica na azulejaria barroca: os painéis do claustro da igreja de São Francisco da Bahia. São Paulo: UPM, 2012.

– Amaral Junior, Rubem. Emblemática Mariana no Convento de São Francisco de Salvador, Bahia, e seus modelos europeus, in Revista Lumen et Virtus

– Tirapelli, Percival, Igrejas Barrocas do Brasil, São Paulo: Metalivros, 2008

Um comentário sobre “Igreja do Convento de São Francisco – Salvador, Bahia

  1. Sou irmão terceiro franciscano, e já me questionaram o porquê de tanto ouro nas nossas igrejas. Eu digo o seguinte: o ouro aí não tem utilidade comercial, não é para esbanjar, não é para mostrar riqueza. É para embelezar. Não é luxo, é sublimidade. Lembremo-nos que um dos Magos ofereceu ouro de presente ao pequeno Jesus.
    E quem colocou esse ouro aí não foi o clero, foram os irmãos terceiros e outros colaboradores, que eram da sociedade, e tinham condições para fazer isso. Não era ouro pertencente à Igreja. Nenhum frade franciscano ficou mais rico quando colocaram ouro nas suas igrejas; sua vida continuava de pobreza.
    E digo mais: a partir do momento em que esse ouro foi para a ornamentação das igrejas, ele deixou o patrimônio particular de alguém e passou a pertencer a todos, ficou visível e possível de ser admirado por todos. Já o ouro que permaneceu no patrimônio particular nem sequer está mais no Brasil; está em reservas e cofres de bancos na Inglaterra ou outros países. Graças a essas igrejas, nós podemos ver a cor do ouro que nosso país um dia teve! E se esse ouro tivesse ido para ‘alimentar pobres’, ele teria sido suficiente para dar almoço por algumas semanas para um grupo de pessoas, e depois acabaria, e elas voltariam a passar fome. E, pelas regras do comércio, esse ouro estaria nas mãos dos comerciantes de comida.
    Portanto, vamos ser mais racionais e parar com essa ideia besta e demagógica de dizer que ‘a Igreja deveria vender seu ouro para os pobres’. Primeiro que não foi a Igreja que colocou esse ouro aí, segundo porque esse ouro é coletivo, e terceiro, porque não adiantaria nada vender isso aí para alimentar pobres.

    Curtir

Deixe uma resposta para Antônio J. Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.