Catedral de Nossa Senhora da Imaculada Conceição – Campinas, São Paulo

Na segunda metade do século XVIII, o local onde hoje se situa a cidade de Campinas era ocupado pela chamada “Freguesia de Nossa Senhora da Conceição do Bairro de Mato Grosso de Jundiaí”.

Após a elevação do local ao status de ‘vila’ no ano de 1797, iniciaram-se as tratativas para substituir a antiga igreja matriz por uma construção nova e maior. O primeiro documento que registra essa intenção é datado de 1807, e ele estipulava não somente o local onde deveria ser feita, como também previa a criação de um imposto voluntário para financiar as obras.

A parte estrutural do templo começou a ser feita em 1809 e foi terminada somente em 1846. Pelo fato de ser uma igreja de grandes proporções feita em taipa, as paredes ficaram com grande espessura.

Para a decoração interna, foi trazido da Bahia o entalhador Vitoriano dos Anjos Figueiroa, que trabalhara nos retábulos da igreja do Senhor do Bonfim. Esse artista exerceu seu ofício em Campinas a partir de 1854, e foi o responsável por fazer o volumoso altar-mor, bem como a base dos púlpitos, e os gradis e arremates das tribunas.

Após sete anos de serviços, Vitoriano foi substituído por Bernardino de Sena Reis e Almeida, que fez o entalhe do arco cruzeiro, as colunas do coro, os dois altares colaterais do cruzeiro, os altares laterais da nave, e os altares das duas capelas laterais. A madeira utilizada foi provavelmente o cedro, que adquiriu coloração escurecida após envernizamento.

Os lustres da catedral chegaram em 1883, e vieram da Maison Lite & Weill, da França.

A igreja foi oficialmente inaugurada em 08 de dezembro de 1883.

O órgão foi encomendado por Ramos de Azevedo, e feito na oficina do célebre francês Aristide Cavaillé-Coll (que, por exemplo, foi responsável por ampliar o órgão de Notre-Dame de Paris, e também por fazer o órgão da Basílica de Sacré-Coeur de Montmartre). Na catedral de Campinas, ele foi colocado em uma caixa negótica.

Os vitrais do quebra-vento e de algumas janelas são dos anos 1920, e foram feitos na Casa Conrado e na Franco & Cia.

O altar da capela do Santíssimo foi feito entre 1909 e 1910, pelo italiano Marino del Favaro.

A parte externa da igreja passou por uma série de contratempos: uma primeira fachada sofreu um desmoronamento em 1865, e outro em 1866, vitimando alguns trabalhadores. Um segundo projeto de fachada (que tinha traços neogóticos) também ruiu em 1874. Por fim, após concluírem que o problema estava na insuficiência de alicerces, uma terceira fachada foi projetada por Cristóvão Bonini, inspirado no estilo clássico de igrejas italianas. A obra foi conduzida e melhorada pelo arquiteto Ramos de Azevedo, o qual também encarregou-se de refazer a fachada dos fundos.

REFERÊNCIAS:

BARRANTES, Paula Elizabeth de Maria. Da taipa ao concreto armado – o acervo da Catedral Nossa Senhora da Conceição de Campinas. São Paulo: Chiado Editora, 2015

2 comentários sobre “Catedral de Nossa Senhora da Imaculada Conceição – Campinas, São Paulo

  1. BOA TARDE! AMEI A HISTÓRIA DA IGREJA, SEMPRE QUE TIVER ENVIE PARA MIM.

    AGRADECIDA, VALÉRIA

    Em seg., 3 de jan. de 2022 às 15:34, Histórias, fotografias e significados das igrejas mais bonitas do Bras

    Curtir

Deixe uma resposta para Valéria de Fátima Ribeiro Gomes Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.